terça-feira, 11 de setembro de 2012


LISTA DE EXERCÍCIOS  - CICLO 3  -    CADERNO 5
1) Um carro de 800 kg andando a 108 km/h, freia bruscamente e pára em 5,0s.    
a) Qual é a aceleração do carro?              b) Qual o valor da força de atrito que atua sobre o carro?

2) (FUVEST) O sistema indicado na figura a seguir, onde as polias são ideais, permanece em repouso graças à força de atrito entre o corpo de 10 kg e a superfície de apoio. Podemos afirmar que o valor da força de atrito é:         
 a) 20 N    b) 10 N    c) 100 N    d) 60 N     e) 40 N

3) (FUVEST) Tenta-se, sem sucesso, deslocar uma caixa de peso P = 50 N, em repouso sobre um plano horizontal com atrito, aplicando-lhe uma força
 F = 200 N, na direção da haste. Despreze a massa da haste.

a) Faça um esquema de todas as forças que agem sobre a caixa e identifique claramente a origem de cada uma delas. Escreva o valor, em N, da resultante dessas forças (FR).
b) Qual o valor da força de atrito entre a caixa e o plano (em N)?
c) Qual o valor mínimo do coeficiente de atrito?

4) (UFMG) Nessa figura, está representado um bloco de 2,0 kg sendo pressionado contra a parede por uma força μ O coeficiente de atrito estático entre esses corpos vale 0,5, e o cinético vale 0,3. Considere g = 10 m/s2.

Se F = 50 N, então a reação normal e a força de atrito que atuam sobre o bloco valem, respectivamente,
a) 20 N e 6,0 N      b) 20 N e 10 N        c) 50 N e 20 N.      d) 50 N e 25 N.        e) 70 N e 35 N.

5) (UNESP) No sistema a seguir, A tem massa mA = 10 kg. B tem massa mB = 15 kg. α = 45°.

Qual será o coeficiente de atrito entre as superfícies em contato, do corpo A com o plano, para que o corpo se desloque com movimento uniforme?
Observações: g = 10 m/s2; o peso da corda, o atrito no eixo da roldana e a massa da roldana são desprezíveis.

6) (UNESP) A figura ilustra um jovem arrastando um caixote com uma corda, ao longo de uma superfície horizontal, com velocidade constante. A tração (T vetorial) que ele exerce no fio é de 20 N.

a) Desenhe todas as forças que atuam sobre o caixote, nomeando-as.
b) Calcule a força de atrito entre o caixote e o solo. São dados:
sen 37° = cos 53° = 0,6; sen 53° = cos 37° = 0,8.

7) (UNESP) Um bloco de massa m = 5,0 kg está apoiado sobre um plano, inclinado de 30° em relação à horizontal. Se uma força F, paralela ao plano inclinado, é aplicada ao bloco com sentido para cima, o bloco desliza para baixo com velocidade v = (2t) m/s. Se a mesma força F é aplicada para baixo, o corpo desliza com velocidade v' = (3t) m/s.
a) Calcule F.
b) Calcule o coeficiente de atrito de deslizamento entre o corpo e o plano inclinado.

8) (UNIRIO) Um carro é freado, e suas rodas, travadas ao descer uma rampa. Num dia seco, o carro pára antes do final da descida. Num dia chuvoso, isto ocorrerá se:

a) Fat < P sen Ɵ, em qualquer circunstância.
b) Fat < P sen Ɵ, dependendo do local onde se inicia a freada e da velocidade naquele instante.
c) Fat = P sen Ɵ, em qualquer circunstância.
d) Fat = P sen Ɵ, dependendo do local onde se inicia a freada e da velocidade naquele instante.
e) Fat > P sen Ɵ, dependendo do local onde se inicia a freada e da velocidade naquele instante.
9) (FUVEST) Considere o movimento de uma bola abandonada em um plano inclinado no instante t = 0.

O par de gráficos que melhor representa, respectivamente, a velocidade (em módulo) e a distância percorrida, é:             a) II e IV              b) IV e III                   c) III e II                d) I e II              e) I e IV
10) (MACKENZIE) Num local onde a aceleração gravitacional tem módulo 10 m/s2, dispõe-se o conjunto a seguir, no qual o atrito é desprezível, a polia e o fio são ideais. Nestas condições, a intensidade da força que o bloco A exerce no bloco B é:               a) 20 N     b) 32 N     c) 36 N     d) 72 N       e) 80 N

Dados:               m (A) = 6,0 kg    m (B) = 4,0 kg   m (C) = 10 kg  cos α = 0,8  sen α= 0,6

11) (MACKENZIE) A ilustração a seguir refere-se a uma certa tarefa na qual o bloco B dez vezes mais pesado que o bloco A deverá descer pelo plano inclinado com velocidade constante. Considerando que o fio e a polia são ideais, o coeficiente de atrito cinético entre o bloco B e o plano deverá ser: a) 0,500  b) 0,750   c) 0,875   d) 1,33   e) 1,50           Dados:   sen α= 0,6     cos α = 0,8



12) (MACKENZIE) Os corpos A e B, de massas 8 kg e 2 kg, respectivamente, sobem o plano inclinado a seguir com aceleração constante de 1 m/s2. Se o coeficiente de atrito cinético entre os blocos e o plano inclinado é 0,5, então o módulo da força F, paralela ao apoio dos blocos e no plano da figura, vale:  a) 140 N  b) 130 N   c) 120 N   d) 110 N    e) 100 N



13) (MACKENZIE) Um bloco de 10kg repousa sozinho sobre o plano inclinado a seguir. Esse bloco se desloca para cima, quando se suspende em P‚ um corpo de massa superior a 13,2kg. Retirando-se o corpo de P2, a maior massa que poderemos suspender em P para que o bloco continue em repouso, supondo os fios e as polias ideais, deverá ser de:  a) 1,20 kg  b) 1,32 kg  c) 2,40 kg  d) 12,0 kg   e) 13,2 kg

14) (FUVEST) A figura a seguir mostra, num plano vertical, parte dos trilhos do percurso circular de uma "montanha russa" de um parque de diversões. A velocidade mínima que o carrinho deve ter, ao passar pelo ponto mais alto da trajetória, para não desgrudar dos trilhos vale, em metros por segundos:     
a) √20.  b) √40.  c) √80.      d) √160.       e) √320.


15) (UEL) Num pêndulo cônico, a massa m gira numa circunferência horizontal, estando submetida às forças peso P vetorial e tração T vetorial, conforme a figura a seguir.

Nestas condições, a intensidade da força centrípeta é
a) nula, pois o movimento é uniforme.
b) dada pela componente da tração, T.senƟ
c) dada pela componente da tração, T.cosƟ
d) dada pela resultante T - P cosƟ
e) dada pela resultante T - P senƟ

16) (UNESP) Um cubo de aço e outro de cobre, ambos de massas iguais a 20 g estão sobre um disco de aço horizontal, que pode girar em torno de seu centro. Os coeficientes de atrito estático para aço-aço e cobre-aço são, respectivamente, μA = 0,74 e μB = 0,53. O cubo de cobre está inicialmente a uma distância de 10 cm do centro do disco. Aceleração da gravidade = 10 m/s2.
a) Qual deve ser a velocidade angular do disco para que o cubo de cobre comece a deslizar?
b) A que distância do centro deve estar o cubo de aço para que o seu deslizamento seja simultâneo com o de cobre?

17) (UNICAMP) Uma criança de 15 kg está sentada em um balanço sustentado por duas cordas de 3,0 m de comprimento cada, conforme mostram as figuras (a) e (b) a seguir.

a) Qual a tensão em cada uma das duas cordas quando o balanço está parado figura (a)?
b) A criança passa a balançar de modo que o balanço atinge 0,5 m de altura em relação ao seu nível mais baixo, figura (b). Qual a tensão máxima em cada uma das duas cordas nesta situação?

18) (MACKENZIE) Um corpo de pequenas dimensões realiza voltas verticais no sentido horário dentro de uma esfera rígida de raio R = 1,8 m. Na figura a seguir, temos registrado o instante em que sua velocidade é 6,0 m/s e a força de atrito devido ao contato com a esfera é equilibrada pelo peso. Nestas condições, o coeficiente de atrito cinético entre o corpo e a esfera é: a) 0,10    b) 0,20   c) 0,30   d) 0,40    e) 0,50
Adote         :g = 10 m/s2

19) (UNICAMP) Sob a ação de uma força constante, um corpo de massa m = 4,0 kg adquire, a partir do repouso, a velocidade de 10 m/s.
a) Qual é o trabalho realizado por essa força?
b) Se o corpo se deslocou 25 m, qual o valor da força aplicada?

20) (UNICAMP) Uma criança solta uma pedrinha de massa m = 50 g, com velocidade inicial nula, do alto de um prédio de 100 m de altura. Devido ao atrito com o ar, o gráfico da posição da pedrinha em função do tempo não é mais a parábola y = 100 - 5t2, mas sim o gráfico representado adiante,

a) Com que velocidade a pedrinha bate no chão (altura = 0)?
b) Qual é o trabalho realizado pela força de atrito entre t = 0 e t = 11 segundos?

21) (UNICAMP) A figura a seguir representa uma certa fibra óptica que consiste de um núcleo cilíndrico de índice de reflexão n > 1, circundado por ar cujo índice vale 1,0. Se o ângulo α representado na figura for suficientemente grande, toda a luz será refletida em ziguezague nas paredes do núcleo, sendo assim guiada e transmitida por longas distâncias. No final da fibra a luz sai para o ar formando um cone de ângulo ϕ, conforme a figura.

a) Qual o valor mínimo de sen α em termos de n para que a luz seja guiada?
b) Qual o valor de sen ϕ em termos de n?

22) (UNESP) A figura adiante mostra, esquematicamente, o comportamento de um raio de luz que atinge um dispositivo de sinalização instalado numa estrada, semelhante ao conhecido "olho-de-gato".

De acordo com a figura responda:
a) Que fenômenos ópticos ocorrem nos pontos I e II?
b) Que relação de desigualdade deve satisfazer o índice de refração do plástico para que o dispositivo opere adequadamente, conforme indicado na figura?

23) (UNESP) A figura a seguir mostra um raio de luz monocromática propagando-se no ar e atingindo o ponto A da superfície de um paralelepípedo retângulo feito de vidro transparente. A linha pontilhada, normal à superfície no ponto de incidência do raio luminoso, e os três raios representados estão situados num mesmo plano paralelo a uma das faces do bloco.

a) De acordo com a figura, que fenômenos estão ocorrendo no ponto A?
b) O ângulo limite para um raio da luz considerada, quando se propaga desse vidro para o ar, é 42°. Mostre o que acontecerá com o raio no interior do vidro ao atingir o ponto B.
24) (UFSCAR) O prisma da figura está colocado no ar e o material de que é feito tem um índice de refração igual a √2. Os ângulos A são iguais a 30°. Considere dois raios de luz incidentes perpendiculares à face maior.

a) Calcule o ângulo com que os raios emergem do prisma.
b) Qual deve ser o índice de refração do material do prisma para que haja reflexão total nas faces OA?

25) (UNICAMP) Um sistema de lentes produz a imagem real de um objeto, conforme a figura a seguir. Calcule a distância focal e localize a posição de uma lente delgada que produza o mesmo efeito.



26) (UNESP) Uma lente delgada, convergente, tem distância focal f. Um feixe de raios paralelos ao eixo da lente incide sobre esta. No espaço imagem é colocado um espelho paralelo à lente, que intercepta os raios emergentes dela.
a) Desenhe um esquema do problema proposto.
b) A que distância da lente (em função de f) deve ser colocado o espelho, para que o foco imagem se posicione no ponto intermediário entre a lente e o espelho?

27) (UFRRJ) A figura mostra dois raios luminosos que incidem sobre uma lente, formando um ângulo de 30° com a normal a ela e emergindo paralelos. A distância entre os pontos A e B em que os raios atingem a lente é de 20 cm.    Determine a distância focal da lente.

28) (UNIFESP) Considere as situações seguintes.
I. Você vê a imagem ampliada do seu rosto, conjugada por um espelho esférico.
II. Um motorista vê a imagem reduzida de um carro atrás do seu, conjugada pelo espelho retrovisor direito.
III. Uma aluna projeta, por meio de uma lente, a imagem do lustre do teto da sala de aula sobre o tampo da sua carteira.
A respeito dessas imagens, em relação aos dispositivos ópticos referidos, pode-se afirmar que
a) as três são virtuais              b) I e II são virtuais; III é real
c) I é virtual; II e III são reais    d) I é real; II e III são virtuais            e) as três são reais.

29) (MACKENZIE) Uma lente delgada convergente tem distância focal de 20 cm. Para se obter uma imagem conjugada de um objeto real, maior que o próprio objeto e não invertida, esse deverá ser colocado sobre o eixo principal da lente,                            a) a 40 cm do centro óptico                   b) a 20 cm do centro óptico              c) a mais de 40 cm do centro óptico     d) entre 20 cm e 40 cm do centro óptico               e) a menos de 20 cm do centro óptico
30) (UFF) Observe atentamente a fotografia do grafite:

A lente objetiva usada para tirar a fotografia do grafite pode ser considerada como uma lente convergente delgada. Chame de p a distância entre a objetiva e a parede fotografada, de d a distância entre a objetiva e o plano do filme fotográfico (ou célula CCD numa câmera digital), e de f a distância focal da objetiva.
Assinale a opção que identifica corretamente, para a situação da fotografia mencionada, como estão relacionadas as 3 distâncias p, d e f e qual a orientação da imagem formada sobre o filme.
a) p > f > d; imagem invertida                     b) d > f > p; imagem direita
c) p > d > f; imagem invertida                     d) f > d > p; imagem direita
e) d > p > f; imagem invertida

31) (UNESP) Uma lupa utilizada para leitura é confeccionada com uma lente delgada convergente, caracterizada por uma distância focal f. Um objeto é colocado a uma distância 0,8 f, medida a partir da lente. Se uma letra de um texto tem altura 1,6 mm, determine o tamanho da letra observado pelo leitor.
32) (FATEC) Sobre uma mesa, são colocados alinhados uma vela acesa, uma lente convergente e um alvo de papel.

Inicialmente, a vela é afastada da lente tanto quanto possível, e ajusta-se a posição do alvo para se obter nele a imagem mínima da vela. Mede-se e anota-se a distância f do alvo à lente. Aproximando-se a vela, até que fique à distância (3/2) f da lente, para captar imagem nítida da vela o alvo deverá ser posicionado à distância da lente igual a                a) 2/3 f       b) f        c) 3/2 f        d) 2 f        e) 3 f
33) (PUC) Certo professor de física deseja ensinar a identificar três tipos de defeitos visuais apenas observando a imagem formada através dos óculos de seus alunos, que estão na fase da adolescência. Ao observar um objeto através do primeiro par de óculos, a imagem aparece diminuída. O mesmo objeto observado pelo segundo par de óculos parece aumentado e apenas o terceiro par de óculos distorce as linhas quando girado.

Através da análise das imagens produzidas por esses óculos podemos concluir que seus donos possuem, respectivamente:

a) Miopia, astigmatismo e hipermetropia.
b) Astigmatismo, miopia e hipermetropia.
c) Hipermetropia, miopia e astigmatismo.
d) Hipermetropia, astigmatismo e miopia.
e) Miopia, hipermetropia e astigmatismo.

34) (UFPA) Um oftalmologista, antes de examinar um paciente, explica-lhe dois defeitos da visão usando os esquemas da Figura 1.
Em seguida, mostra-lhe as lentes representadas na Figura 2, cuja função é corrigir esses defeitos.

a) Qual o nome de cada defeito e qual a lente (1 ou 2) que corrige cada um?
b) Após o exame, o médico constata que o olho do paciente apresenta o defeito A, sendo sua máxima distância de visão distinta igual a 50 cm. Calcule quantas dioptrias deve ter a lente receitada pelo médico para corrigir tal defeito.

35) (UFSCAR) Pesquisas recentes mostraram que o cristalino humano cresce durante a vida, aumentando seu diâmetro cerca de 0,02 mm por ano. Isso acarreta, na fase de envelhecimento, um defeito de visão chamado presbiopia, que pode ser corrigido de forma semelhante
a) à miopia, com uso de lentes divergentes.
b) à miopia, com uso de lentes convergentes.
c) à hipermetropia, com uso de lentes divergentes.
d) à hipermetropia, com uso de lentes convergentes.
e) ao astigmatismo, com uso de lentes convergentes ou divergentes.

36) (UNICAMP) O olho humano só é capaz de focalizar a imagem de um objeto (fazer com que ela se forme na retina) se a distância entre o objeto e o cristalino do olho for maior que a de um ponto conhecido como ponto próximo, Pp (ver figura adiante). A posição do ponto próximo normalmente varia com a idade. Uma pessoa, aos 25 anos, descobriu, com auxílio do seu oculista, que o seu ponto próximo ficava a 20 cm do cristalino. Repetiu o exame aos 65 anos e constatou que só conseguia visualizar com nitidez objetos que ficavam a uma distância mínima de 50 cm. Considere que para essa pessoa a retina está sempre a 2,5 cm do cristalino, sendo que este funciona como uma lente convergente de distância focal variável.

a) Calcule as distâncias focais mínimas do cristalino dessa pessoa aos 25 e aos 65 anos. 
b) Se essa pessoa, aos 65 anos, tentar focalizar um objeto a 20 cm do olho, a que distância da retina se formará a imagem?

37) (UNIFESP) Uma das lentes dos óculos de uma pessoa tem convergência +2,0 di. Sabendo que a distância mínima de visão distinta de um olho normal é 0,25 m, pode-se supor que o defeito de visão de um dos olhos dessa pessoa é
a) hipermetropia, e a distância mínima de visão distinta desse olho é 40 cm.
b) miopia, e a distância máxima de visão distinta desse olho é 20 cm.
c) hipermetropia, e a distância mínima de visão distinta desse olho é 50 cm.
d) miopia, e a distância máxima de visão distinta desse olho é 10 cm.
e) hipermetropia, e a distância mínima de visão distinta desse olho é 80 cm.

38) (FGV) Quando uma onda eletromagnética se propaga em um meio material, alguns fatores devem ser levados em conta. Analise-os.
I - No vácuo, a luz vermelha e a verde apresentam mesmas velocidades, porém, na água, suas velocidades ficam diferentes.
II - A direção de propagação das ondas eletromagnéticas é transversal à direção da vibração da fonte que as produz, independentemente do meio que essas ondas atravessam.
III - Nos meios materiais, desde que uma onda eletromagnética possa se propagar, a velocidade de propagação depende da frequência.
É CORRETO o contido em:
a) I, apenas   b) II, apenas   c) I e III, apenas  d) II e III, apenas   e) I, II e III

39) (UFSCAR) A diferença entre ondas mecânicas, como o som, e eletromagnéticas, como a luz, consiste no fato de que
a) a velocidade de propagação, calculada pelo produto do comprimento de onda pela freqüência, só é assim obtida para ondas eletromagnéticas.
b) as ondas eletromagnéticas podem assumir uma configuração mista de propagação transversal e longitudinal.
c) apenas as ondas eletromagnéticas, em especial a luz, sofrem o fenômeno denominado difração.
d) somente as ondas eletromagnéticas podem propagar-se em meios materiais ou não materiais.
e) a interferência é um fenômeno que ocorre apenas com as ondas eletromagnéticas

40) (UNIFESP) Na região quadriculada da figura existe um campo magnético uniforme, perpendicular ao plano do reticulado e penetrando no plano da figura. Parte de um circuito rígido também passa por ela, como ilustrado na figura.

A aresta de cada célula quadrada do quadrilátero tem comprimento u, e pelo fio passa uma corrente elétrica de intensidade i. Analisando a força magnética que age sobre cada elemento de comprimento u do fio do circuito, coincidente com a aresta das células quadradas, a intensidade da força magnética resultante sobre a parte do circuito exposta ao campo B é:        a) nula       b) iBu/2      c) iBu      d) 3iBu      e) 13iBu
41) (UEG) A figura a seguir descreve uma regra, conhecida como "regra da mão direita", para análise da direção e do sentido do vetor campo magnético em torno de um fio percorrido por uma corrente elétrica.
Analisando a figura a seguir, responda aos itens:
a) O que representam, na figura, as setas que estão ao lado dos dedos polegar e indicador?
b) Faça um esboço (desenho) das linhas de campo magnético em torno desse fio.
c) Faça uma análise qualitativa relacionando a dependência do módulo do vetor campo magnético nas proximidades do fio com a intensidade de corrente elétrica e com a distância em que se encontra do fio.


42) (UEG) Como se tivessem uma bússola natural, os pássaros que migram são capazes de aproveitar o campo magnético da Terra para manter o curso correto durante longos vôos. Os cientistas não sabem ao certo como isso funciona, mas estudos recentes mostram que eles seriam dotados de um tipo de sinestesia e estariam aptos a "ver" as linhas de campo magnético como padrões de cores e luz.
            "GALILEU", São Paulo, abr. 2007, p. 31. [Adaptado].
Com respeito ao texto acima e acerca dos conceitos de linhas de indução magnética, é INCORRETO afirmar:
a) As linhas de indução de um campo magnético partem do Pólo Norte e dirigem-se para o Pólo Sul magnético.
b) As linhas de indução do campo magnético de um condutor reto, percorrido por uma corrente elétrica, são elipses concêntricas com o condutor, situadas em planos perpendiculares a ele.
c) O vetor indução magnética gerado por uma espira circular percorrida por uma corrente elétrica é perpendicular ao plano definido por ela.
d) No interior de um solenóide, em pontos não muito próximos do fio condutor ou das extremidades, as linhas de indução são representadas aproximadamente por retas igualmente espaçadas e igualmente orientadas.

43) (UFMG) O Professor Nogueira montou, para seus alunos, a demonstração de magnetismo que se descreve a seguir e que está representada na Figura I.
Uma barra cilíndrica, condutora, horizontal, está pendurada em um suporte por meio de dois fios condutores ligados às suas extremidades. Esses dois fios são ligados eletricamente aos pólos de uma bateria.
Em um trecho de comprimento L dessa barra, atua um campo magnético B, vertical e uniforme. O módulo do campo magnético é de 0,030 T, o comprimento L = 0,60 m e a corrente elétrica na barra é de 2,0 A.
Despreze a massa dos fios.
Nessas circunstâncias, a barra fica em equilíbrio quando os fios de sustentação estão inclinados 30° em relação à vertical.
Na Figura II, está representada a mesma barra, agora vista em perfil, com a corrente elétrica entrando na barra, no plano do papel.

a) Considerando essas informações, ESBOCE, na Figura II, o diagrama das forças que atuam na barra e IDENTIFIQUE os agentes que exercem cada uma dessas forças.
b) DETERMINE a massa da barra.
44) (UFMG) Em uma aula de eletromagnetismo, o Professor Emanuel faz a montagem mostrada, esquematicamente, nesta figura:

Nessa montagem, uma barra de metal não-magnético está em contato elétrico com dois trilhos metálicos paralelos e pode deslizar sobre eles, sem atrito. Esses trilhos estão fixos sobre uma mesa horizontal, em uma região onde há um campo magnético uniforme, vertical e para baixo, que está indicado, na figura, pelo símbolo X. Os trilhos são ligados em série a um amperímetro e a um resistor R. Considere que, inicialmente, a barra está em repouso. Em certo momento, Emanuel empurra a barra no sentido indicado pela seta e, em seguida, solta-a. Nessa situação, ele observa uma corrente elétrica no amperímetro.
Com base nessas informações,
a) INDIQUE, na figura, o sentido da corrente elétrica observada por Emanuel. JUSTIFIQUE sua resposta.
b) RESPONDA:
Após a barra ser solta, sua velocidade DIMINUI, PERMANECE CONSTANTE ou AUMENTA com o tempo? JUSTIFIQUE sua  resposta.

45) (PUCRIO) Dois objetos metálicos esféricos idênticos, contendo cargas elétricas de 1 C e de 5 C, são colocados em contato e depois afastados a uma distância de 3 m. Considerando a Constante de Coulomb k = 9 × 109 N m2/C2, podemos dizer que a força que atua entre as cargas após o contato é:
a) atrativa e tem módulo 3 ×109 N.
b) atrativa e tem módulo 9 × 109 N.
c) repulsiva e tem módulo 3 × 109N.
d) repulsiva e tem módulo 9 × 109 N.
e) zero.

46) (FUVEST) Duas barras isolantes, A e B, iguais, colocadas sobre uma mesa, têm em suas extremidades, esferas com cargas elétricas de módulos iguais e sinais opostos. A barra A é fixa, mas a barra B pode girar livremente em torno de seu centro O, que permanece fixo. Nas situações I e II, a barra B foi colocada em equilíbrio, em posições opostas. Para cada uma dessas duas situações, o equilíbrio da barra B pode ser considerado como sendo, respectivamente.

(SITUAÇÕES DE EQUILÍBRIO - após o sistema ser levemente deslocado de sua posição inicial
Estável = tende a retornar ao equilíbrio inicial
Instável = tende a afastar-se do equilíbrio inicial
Indiferente = permanece em equilíbrio na nova posição)

a) indiferente e instável           b) instável e instável          c) estável e indiferente
d) estável e estável                  e) estável e instável

47) (UNIFESP) Considere a seguinte "unidade" de medida: a intensidade da força elétrica entre duas cargas q, quando separadas por uma distância d, é F. Suponha em seguida que uma carga q1 = q seja colocada frente a duas outras cargas, q2 = 3q e q3 = 4q, segundo a disposição mostrada na figura.

A intensidade da força elétrica resultante sobre a carga q1, devido às cargas q2 e q3, será               a) 2F.       b) 3F.       c) 4F.       d) 5F.         e) 9F.
48) (PUCRIO) Duas esferas idênticas, carregadas com cargas Q = 30 μ C, estão suspensas a partir de um mesmo ponto por dois fios isolantes de mesmo comprimento como mostra a figura.
Em equilíbrio, o ângulo Ɵ, formado pelos dois fios isolantes com a vertical, é 45°. Sabendo que a massa de cada esfera é de 1 kg, que a Constante de Coulomb é k = 9 × 109 N m2/C2 e que a aceleração da gravidade é g = 10 m/s2, determine a distância entre as duas esferas quando em equilíbrio.
Lembre-se de que μ = 10-6.
a) 1,0 m       b) 0,9 m      c) 0,8 m       d) 0,7 m      e) 0,6 m

49) (UFPE) Quatro cargas elétricas puntiformes, de intensidades Q e q, estão fixas nos vértices de um quadrado, conforme indicado na figura. Determine a razão Q/q para que a força sobre cada uma das cargas Q seja nula.

a) -√2/4       b) -√2/2        c) -√2          d) -2√2       e) -4√2
50) (UFRJ) Duas cargas puntiformes q = 2,0 × 10-6 C e q‚ = 1,0 × 10-6C estão fixas num plano nas posições dadas pelas coordenadas cartesianas indicadas a seguir. Considere K = 1/(4 πɛ0) = 9,0 × 109 NC-2 m2.

Calcule o vetor campo elétrico na posição A indicada na figura, explicitando seu módulo, sua direção e seu sentido.
GABARITOS:
01)   a) 6,0 m/s2, no sentido oposto ao do movimento
         b) 4,8 . 103 N, no sentido oposto ao do movimento
02) A
03a) Observe a figura a seguir:

b) 100 N   c) 0,45
04) C
05) μ = 1 - 2√2/3 = 0,057
06) a) Observe a figura a seguir:

       b) 16 N
07)  a) 2,5 N   b) √3/6
08) E
09) B
10) B
11) C
12) D
13) A
14) C
15) B
16)  a) maior que 7,3 rad/s     b) menor que 0,14 m
17)  a) 75 N    b) 100 N
18) E
19)  a) 200 J   b) 8,0 N
20)  a) - 10 m/s  b) - 47,5 J
21)  a) sen α > 1/N  b) sen ϕ < √(N2 - 1)
22)  a) I - reflexão, II – refração   b) N > √2
23) a) Reflexão e Refração
       b) Observe o esquema a seguir:

24)  a) 45°   b) nprisma > 2
25)  a) Entre o objeto e a imagem, a 80 cm do objeto    b) +16 cm
26) 
     a) Observe a figura a seguir:


       b) 3f/4
27)  Tendo em vista que os raios saem paralelos, concluímos que eles estão incidindo no foco F.  A distância é igual a altura do triângulo eqüilátero ABF, ou seja 10√3 cm.
28) B
29) E
30) C
31) 8,0 mm
32) E
33) E
34)  a) O defeito A é miopia e o defeito B pode ser hipermetropia ou     presbiopia (vista cansada). O defeito A é corrigido pela lente 2, enquanto o defeito B é corrigido pela lente 1.
        b) O grau da lente 2 é D = - 2 di
35) C
36)  a) 2,2 cm e 2,4 cm 
        b) Aproximadamente, 0,2 cm "atrás" da retina
37) C
38) E
39) D
40) C
41)  a) Polegar: intensidade de corrente elétrica. Indicador: direção e     sentido do vetor campo magnético.
      b) As linhas de indução magnética formadas por um fio infinito, transportando corrente elétrica, são círculos concêntricos ao fio.

      c) O módulo do vetor campo magnético é diretamente proporcional à intensidade de corrente elétrica e inversamente proporcional à distância em que se encontra o fio.
42) B
43)
a)

b) 6,2 g
44)
a) Horário. Observe a figura a seguir.

b) diminui
45) D
46) E
47) D
48) B
49) D
50|EA| = 9√5 × 107 N/C
Direção: tgα = |E2|/|E| = 1/2, onde α é o ângulo trigonométrico que EA faz com o eixo 0x.
Sentido: de afastamento da origem, a partir do ponto A

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário